às vezes olho para a outra margem e dá-me uma certa saudade de umas tardes de primavera de um longínquo ano de dois mil e tal.
do calor do amparo, do mimo, da minha amiga bé.
a vida nem sempre caminha para melhor, apesar de tudo fazermos para que assim seja. há felicidades que não se recuperam e as outras, que as substituem, nem sempre têm o sabor doce da tranquilidade e da despreocupação.
pareço triste?
não estou de facto muito feliz. mas é somente o reflexo de um caminho que trilho para chegar à autonomia. ao desapego. ao eu.

Anúncios